2017, um ano pra ser lembrado

Unifan-1230×130
aguia-1
kart-passeio

Saudações esmeraldinas!

 

Ao contrário do que muitos pensam o ano de 2017 tem de ser lembrado sim, e jamais deverá ser esquecido.

Tem de ser lembrado pois um time de futebol sério, não pode se dar ao luxo de ter mais de 40 atletas em seu elenco, tem de ser lembrado que um time que se diz profissional não pode ter oito trocas de comando técnico durante uma temporada.

Tem de ser lembrado que um clube com uma receita infinitamente superior a 90% dos concorrentes não tem a capacidade de ter um aproveitamento de 50% dos pontos.

E para não me alongar muito tem de ser lembrado que um clube com uma história e estrutura como o Goiás Esporte Clube, não pode ser refém de um bando de boleiros sem compromisso como foi em 2017.

O elenco de 2017, sem dúvida alguma (salvo algumas poucas exceções) foi MEDONHO. Um dos piores da história da tradicional equipe alviverde. E já tivemos alguns elencos muito ruins no passado. Em especial, na década de 90, mas nada que se compare a este.

Para piorar, era visível a falta de comprometimento de alguns. Isto sem falar na falta de qualidade técnica. Até “jogador” (visivelmente fora de forma) teve que ser utilizado, por falta absoluta de opção num elenco inchado e fraco tecnicamente.

Do elenco que vinha sendo utilizado, na reta final, eu só ficaria com Marcelo Rangel (um dos poucos que se salva nesta campanha pífia.), os zagueiros Fabio Sanches e Deivid Duarte (o segundo por ser oriundo da base e ainda enxergo um potencial) e os volantes Eliezer (pela qualidade que conseguiu mostrar) e Leo Sena (que se mostrar um pouco mais de vontade e humildade tem futuro), e Thiago Luiz, que mesmo não jogando todos os jogos foi o líder de assistências nesta temporada.

Não dá para ficar com uma base, quando essa base é ruim, o elenco de 2017 é péssimo, então, que se inicie um trabalho do zero e que de totais condições e liberdade ao treinador e mande embora o fraco elenco – principal responsável pela campanha vexatória do Goiás na competição.

Claro que a questão política (e consequente más administrações no futebol) do clube vem influenciando na derrocada do time em campo.  Mas, se temos um bom elenco ou, pelo menos, um elenco COMPROMETIDO, no mínimo teríamos brigado pelo acesso e não ficado a reta final inteira sem vencer.

Curioso notar que, depois que Hélio dos Anjos chegou, o mesmo elenco passou a dar melhores resultados. Mas, diante da falta de qualidade e comprometimento do grupo, tirou leite de pedra, até onde deu. Nem Tite subiria um time com um elenco tão fraco e suas faltas de opções técnicas e táticas.

É preciso que o clube se reerga e seja o velho e bom Goiás, dos tempos de Lincoln, de Araújo. Ou mais recentemente, quando subimos da série B para série A, em 2011, sem nem uma derrota dentro do Serra Dourada. É preciso ter o passado de volta, para poder temos um futuro.

Cornetadas:

Como se não basta a campanha ridícula e de todas as decepções de 2017, para fechar com chave de ouro a “JESTÃO” esmeraldina, trouxe de volta o principal responsável pela montagem do pior time do Goiás nas últimas décadas, o Sr. Harlei Menezes, falarei desta volta no próximo post.

Túlio Guerreiro tem tudo para fazer um excelente trabalho, porém deverá ter total autonomia, e se mostrar fora de campo a mesma seriedade que demonstrou enquanto esteve em campo na sua vitoriosa carreia, não irá aceitar interferências no seu trabalho, e também conhecedor da “JESTÃO” esmeraldina acredito que sua passagem a frente do futebol do Goiás será breve.

 

Por hoje é só, uma boa semana a todos.

16 Comentários

  1. Carlos Silva disse:

    Não tem novidades, por isso não tem nenhuma matéria…

  2. Márcio Rosa disse:

    Cadê as matérias com as novidades do vedão?

  3. Luan Laurensky disse:

    o site acabou?

  4. Carlos Antônio de Souza disse:

    O HP, de tão velho virou criança, e brinca de roda no GEC. A ciranda de puxa sacos metidos a gestores de futebol, de tão boba que é parece até malandragem de meninos sapecas brigando pela chance de ter uma fatia maior no bolo da merenda da escola.

    Buscar jogadores aposentados para gerir um time de futebol profissional é coisa de gente que não mais responde por suas faculdades mentais plenas.

    Boleiros novos já são um pé no saco, imaginem boleiros velhos. . . E o pior, trazer de volta o maior paneleiro de todos os tempos. . .

    O único trunfo do Harlei como diretor de futebol do GEC foi contratar Bruno Henrique, e com isso encher os bolsos de muita gente. . .

    Isso só demonstra uma coisa: para a Pinheirada e seus puxa sacos, não lhes interessam um Goiás forte e vitorioso, mas sim bom é lucrativo balcão de negócios!!!

    É isso que o saudoso Goiás Esporte Clube é nas mãos desses FDPs: UM BALCÃO DE NEGÓCIOS!!!

  5. Márcio Rosa disse:

    É um ano pra ser esquecido sim. Dos meus 49 anos de idade, 41 são de um esmeraldino apaixonado, sempre apoiando meu time , e realmente, concordo com os colegas, é o pior elenco que ja vi, desde o ano de 1977, quando pisei pela primeira vez, nesse gigante de concreto, chamado serra dourada. Faço minha obrigação de torcedor, frequento os jogos, pago inteira e compro uma camisa oficial por ano. Fora HP, fora Harlei paneleiro.

  6. O que não entendo e que a mina de dinheiro do Goiás num acaba

  7. JOP disse:

    Sou torcedor do Goiás há 46 anos e não me lembro de outro ano tão ruim como foi 2017, nem perto disso. Mai grave é ver que a situação piora a cada ano, desde 2014 e não há sinais de que possa melhorar muito em 2018. Acho que deve melhorar alguma coisa depois de chegar ao fundo do poço em 2017, mas não será suficiente para subir.

    Digo isso com o que temos visto até agora. Manter o clube sob o domínio absoluto dos Pinheiros, como vem ocorrendo, é seguir queimando dinheiro, enchendo os bolsos de HP e cia ltda e empregando puxa-sacos aproveitadores.

    Basta ver o que foi 2017. Até julho/agosto o HP e o Sergio Rassi garantiam de que o time brigaria na ponta da tabela, quando tudo provava o contrário. Ao final, foi gasto um caminhão de dinheiro pra fechar o ano na situação miserável de apenas escapar do vexame da série C.

    Passado tudo isso ninguém assume as lambanças que foram feitas. Parece que tudo foi obra do acaso. E pra provar que não querem mudar o rumo das coisas, trazem o incompetente do Harlei, que fez boa parte das contratações de merda, e ainda promovem o sujeito.

    Tenha santa paciência

  8. gabriel junio disse:

    esse time ai no papel e top,mais demonstrou um futebol ridiculo !!!!

  9. Divaldo Mendonça Borges disse:

    “Jestão Jumenta”

  10. Divaldo Mendonça Borges disse:

    O Goiás precisa criar o “FALA TORCIDA”
    *Dizem que sapo não erra uma!!! *
    Nós estamos aqui de fora vendo as burradas que o Goiás vem promovendo ao logo dos anos e não é possível que somos tão imbecis assim, a maioria, de tentar colocar ideias ruins nas cabeças desses dirigentes. Somos uma maioria! Estamos acompanhando o processo do futebol por todo lado, queremos o bem do Goiás.
    Ideias boas aparecem toda hora e precisariam ser aproveitadas.
    o FALA TORCIDA teria que ser criado e digerido pela diretoria.

  11. Confio no Helio dos Anjos pra formação da equipe! O Tulio Guerreiro vai fazer um estágio e sempre foi um jogador de respeite . Volta VE RDAO
    ….
    .

  12. Tales Divino Clemente disse:

    Obrigado pela leitura, quanto a JESTÃO com “j” e uma referência usada por nosso amigo Diego Stefani, ao modo de condução da cúpula serrinhista, que leva tudo no jeito, quanto ao Túlio preparação ele tem sim pois já exercia esta função em um clube de menor expressão.

    • Divaldo Mendonça Borges disse:

      Só um comentário, Tales, OS ANOS DE 2014,15,16,17 não terão que ser lembrados, terão é que serem esquecidos como o 7 x 1 da seleção.

  13. FabricIo Azevedo disse:

    Kassio a “jestao” acima citado eh com se fosse uma gestão burra. Por isso essa gestão se escreve com J .

  14. Kássio Ricardo disse:

    Tales amigo, Gestão é com “G” e não com “J”. O Goiás já teve grandes jogadores, como o próprio Túlio Lustosa e o Harley, porém tudo na vida tem um fim, e naturalmente esses jogadores já encerraram seu ciclo no Goiás a muito tempo. Concordo que eles devem ser lembrados, como grandes ídolos que eles já foram, mas isso ficou para trás. Sua grande habilidade dentro de campo não dá a eles qualificação para dirigir um time do tamanho do Goiás. Vcs que dirigem o clube não devem se esquecer que com exceção do Harley todos eles trocaram o Goiás por uma oportunidade melhor quando a primeira chance surgiu: Rafael Moura, Walter, Paulo Bayer, Josué, Fernandão, Alex Dias…. E Por aí vai. Não devemos nada a esses jogadores. Se continuarem com isso o Goiás vai se apequenar cada vez mais e viver de glórias do passado, do tempo desses jogadores que vcs trazem de volta, toda temporada. Parem com isso o Goiás precisa de sangue novo, novos ídolos, novos dirigentes, com ousadia, nova mentalidade, escutem sua torcida e parem de fazer essas lambanças, o Goiás morre um pouco a cada ano. Quando o primeiro com uma mentalidade diferente assumiu o time fomos pela primeira vez na história, disputar uma libertadores, mas por vaidade, ciúmes e inveja, vcs o escurrasaram do time porta a fora. Pensem: Aquela foi a última vez que o Goiás foi grande, de lá pra cá só um lampejo ou outro muito raramente. Pelé e Zico estão vivos, dois dos maiores craques do futebol mundial, não vejo eles mandando e desmandando seus respectivos times. Não tenham medo de inovar, jogador bom todo mundo conhece, o Goiás não é loteria para vcs fazerem aposta todos os anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *