Unifan-1230×130
aguia-1
kart-passeio

Foto: Arquivo Pessoal / Diego Stefani.

Todos aqui sabem da minha política de textos nestes últimos anos de ‘jestão’. As críticas têm sido recorrentes, mas nunca foram gratuitas. A motivação sempre foi simples: péssima ‘jestão’ no departamento de futebol, que querendo ou não, é o principal foco do Goiás Esporte Clube. E de tanto ter dinheiro e não saber administrar, chegamos a um ponto crucial na história do clube. Um risco maior até mesmo do que em 2011 corríamos. Estamos no pior ano do Goiás em termos de futebol profissional. Risco de Série C? Temos demais, e só tem um fator que poderá mudar esse resultado. Sabe quem vai virar o jogo?

Você, torcedor.

Sim, não há outro tipo de pessoa que não mude tal situação senão o torcedor. Sabemos das incapacidades do elenco, e o jogo contra o Paysandu deixou claro que a torcida é o 12º jogador necessário para ajudar o clube a buscar as vitórias e sair dessa. A coisa tá tão feia, que nosso ‘Helião da Massa’ tá mudando esquema tático pois a equipe não consegue jogar no clássico 3-5-2 dele. Dessa maneira, o apoio da torcida é incondicional. Precisamos virar esse jogo, muitos ainda ‘não caíram a ficha’ para o que pode ocorrer se uma lástima acontecer e o Goiás cair para a Série C. Mas, vou ajudar, vou dar uma simples explicação disso.

Se cairmos para a Série C, ano que vem teremos mesmo com tal queda 50% das cotas originais de TV do contrato em vigor. Ou seja, R$ 22 milhões em conta para jogar a terceira divisão. Até aí tudo bem, uma grana alta para um padrão baixo. Mas, o problema começará em 2019. Todos os clubes assinaram contratos novos com a televisão a partir do ano pós-copa, uns com a Globo, outros com o Esporte Interativo. Os valores? Aumentaram consideravelmente, porém só serão pagos em sua integralidade se todos eles estiverem na Série A. Aí é só fazer as contas: se cairmos para a Série C e subirmos para a Série B em 2019, não teremos cotas grandes contratuais com a TV, caindo na cota geral. Será mesmo que o Goiás voltaria a ser grande, sendo tão dependente da receita da TV e subindo de uma Série C, com cota geral em torno de R$ 6 milhões para jogar a segunda divisão?

Com certeza não.

Estamos diante de um fracasso histórico, mas o novo marketing do clube abriu portas para que o torcedor pudesse ser fundamental nessa virada de jogo. Ingressos de cadeira a R$20 e arquibancada a R$10. Timemania com aposta no Goiás paga meia em todos os setores. Sorteio de brindes, happy-hour até 20h30 no Serra Dourada com cerveja a R$5, e inferno verde com chegada do ônibus prevista para às 20h. Só ajudar o Goiás a sair dessa seria motivo suficiente para ir ao estádio, mas todos estes brindes com certeza se tornam atrativos.

Torcedor, é hora de unir. Vamos sair desse fracasso. Não vamos ser um Vila Nova. Tire a bunda da cadeira, largue o PFC hoje, e vá ao estádio. Leve sua esposa, filhos, pais, parentes, amigos… Vamos, pelo menos durante os 90 minutos de jogo, gritar incondicionalmente para a vitória, porque só essa vitória, multiplicada por 5, é que vai nos tirar desta situação lastimável.

Depois de mais de dois anos, estou voltando ao Serra Dourada. Irei levar esposa, filho e cunhado. Já separei ingresso e bandeira. Estou fazendo minha parte. Faça também a sua. Compareça!

3 Comentários

  1. Cristiano disse:

    Quero um fio de esperança! Quero os pinheiros fora do Goiás! Quero participação e envolvimento da torcida nas decisões do clube! É duro ser tratado como objeto o tempo todo e não ter perspectiva! Eu não irei ao estádio! É o meu protesto!

  2. Leonardo Marques disse:

    Perfeito, Diego.
    Eu nunca deixei de ir.

  3. Fernando disse:

    Eu ao contrário de você, mesmo diante da difícil situacão estava contra o Brasília, River-PI, Botafogo da paraiba, dentre outros vexames. Nós que amamos o clube não podemos deixar de estarmos presentes, ainda mais neste momento. Mais parabéns pelo texto e que todos os torcedores vão ao serra hoje. #BORAVERDAO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *