Goiás

Geovane e Everaldo disputando a bola no Maracanã. Foto: Divulgação/Flickr Oficial do Fluminense

Iniciar a semana com uma vitória na série A não tem preço, não é mesmo? Há quanto tempo esperávamos esse momento, e apesar das expectativas baixas, fomos surpreendidos de maneira espetacular. Antes de tudo, parabenizar o Claudinei de Oliveira,uma das contratações mais contestada da história do clube, e que apesar disso conseguiu trazer uma organização defensiva fundamental para vitória.

Apesar de ainda estarmos bastante eufóricos com os três pontos, precisamos analisar alguns fatos que não podem passar em branco. Mesmo com a importante vitória, o esquema reativo proposto por Claudinei encontrou muitas dificuldades quando tinha a bola. E quando não temos qualidade e velocidade com a bola nos pés nessa filosofia posicional, tornamos insustentável esse estilo de jogo. Com uma equipe com mais qualidade que o Fluminense, e em condições normais de jogo, poderíamos estar lamentando ao invés de festejando.

Quando a bola caia nos pés do Léo Sena e Giovanni Augusto, pra mim os melhores em campo depois do goleiro Tadeu, conseguimos ter saída com qualidade. Já quando necessitávamos do jogo agudo com Michael, Barcia e Kayke, demonstramos limitações. Fomos inofensivos quando os três tinham a bola nos pés. Precisamos com urgência de jogadores que chegam para ser titulares na nossa linha de frente.

Claudinei explicou a mudança de lado no posicionamento do Michael, tendo como principal motivo a ajuda do Barcia na marcação do Everaldo. Mesmo assim, o nosso menino destaque precisa aumentar o seu repertório para justificar a decisão de não vendê-lo quando tivemos oportunidade. Kayke não apresentou ameaça alguma ao adversário, não sabemos se por falta de ritmo de jogo ou por falta de qualidade.

Outro destaque negativo foi o lateral Kevin, que faz hora-extra no time titular. Se Leandro Barcia não o ajudasse na marcação, sofreríamos muito mais. Sem falar da falha na linha de impedimento no lance que o juiz analisou com a ajuda do VAR e poderia assinalar pênalti. Kevin destoou de todo o sistema defensivo, que mostrou muito consistência. Até Jefferson, bastante contestado, fez uma partida coerente.

Dito isso, já podemos voltar e euforia e comemorar a vitória contra um dos nossos adversários diretos na briga pela permanência da Série A. Quarta-Feira estaremos juntos no Serra Dourada, apoiando o Verdão em mais um batalha.

lucas
lucas
Autônomo , pai e esposo apaixonado pelo Goiás.

4 Comments

  1. Avatar Lúcio disse:

    Excelente análise! Destaco o Kevin disperso (mesmo defeito do Marcelo Hermes). O kevin também também foi negligente na saída de bola que originou o gol anulado do Fluminense. U sujeito a menos no time foi o Kayke. Creio que um jogador mais rápido (falso 9) no lugar dele seria melhor.

  2. Avatar PEDRO disse:

    Desculpe mas o jogo foi sofrível . Achamos o gol em cima de uma falta inexistente. Vamos aguardar quarta feira.

    • Avatar Lúcio disse:

      Questão de interpretação. O jogador do fluminense usou o braço esquerdo para desequilibrar o Barcia e por isso teve condição de tocar a bola. O árbitro usou o mesmo critério para anular o gol do Goiás. Reveja o lance e não entre em conversa de comentarista de tv.

  3. Avatar Edlove disse:

    Esse gordinho é um fenômeno!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!