Esmeraldino.com

O MAIOR PORTAL DE NOTÍCIAS DO GOIÁS ESPORTE CLUBE

Kleina: os sete dias da verdade

A palavra TESTE não poderá mais existir no Goiás. Passado quase 1/3 da competição estadual, o Goiás é líder. Mas, em mais um fraco Campeonato Goiano, pouquíssimos torcedores ainda apostam que o time tem condições de melhora. O time já atuou seis vezes este ano, sendo duas por amistosos e quatro pela competição estadual, e a única coisa que se enxerga é um ‘padrão as avessas’.

Marketing, comunicação, tratamento com a torcida, são coisas que melhoraram no clube. Harlei também chegou e está sendo acertadamente elogiado pelas contratações que tem feito. Mas, justamente as que ainda faltam, têm prejudicado o Goiás neste início de temporada. Faltam laterais – o que ficou ainda mais evidente com a entrada de Saturnino ontem – e pelo menos um atacante que joga pelos lados.

Mas, sem contar com as faltas, vamos ao padrão de jogo. Em quatro partidas no Goianão, foram seis gols marcados, sendo eles cinco de Gamalho e um de Éverton Sena. Destes seis, quatro foram de bolas paradas, e dois de rebotes. Não há uma efetiva jogada trabalhada. Sempre observamos um ‘vazio’ por ali. Falta alguma coisa. Seria essa falta uma espécie de Rossi?

Dos gols sofridos, foram três até o momento. Todos de bola parada. E, só não foram mais pois o atual goleiro realmente excede expectativas, mostrando técnica, segurança e principalmente capacidade para defender a meta esmeraldina. Muitos arriscam a dizer que foi a melhor contratação do ano.

Enfim, no Goianão estamos vencendo e empatando, mas pela – novamente – péssima qualidade do campeonato, o Goiás não tem convencido nem o torcedor menos exigente. Isso é realmente preocupante.

Comparando com os amistosos, tivemos o 1×1 com o Uberlândia e o 2×0 contra o Brasília. Os três gols marcados pelo Goiás foram de bolas paradas.

Em resumo, não perdemos ainda, mas também não fomos convencidos.

2017 é preocupante com isso. Ao que tudo indica, Kleina acredita que padrão de jogo é manter a formação sempre. E não é. A insistência com um Walter pesado, a escalação de um lateral esquerdo reserva que nunca demonstrou qualidade, a falta de padrão de jogo, etc. O que tem decidido as partidas não são os padrões do treinador, e sim a capacidade individual dos jogadores, principalmente de Léo Gamalho. Se tem um grande responsável pelo momento ainda controlado, é este rapaz.

Os próximos sete dias, desta forma, são essenciais para garantir o sucesso do Goiás. O treinador vai ainda depender da individualidade de seus atletas? Ou vai realmente dar uma cara ao time? Temos Goianésia – adversário historicamente complicado – fora de casa, e o jogo único da Copa do Brasil em Sergipe, onde caso perca, o time esmeraldino está fora.

Harlei, fique de olho. Uma situação está sendo desenhada até então. O Goianão não serve de referência. Será que precisaremos ver uma desclassificação na competição nacional, e escutar novamente como foi com Enderson Moreira ano passado que o River-PI era perigoso? Não. A torcida quer resultados. E a torcida observará atentamente jogos contra o Goianésia e Itabaiana.

Já que Gilson Kleina exige bastante quando assina ou renova contratos, está na hora também da cobrança ser forte em cima dele. Ou faz o que deve ser feito, ou não serve para treinar o Goiás.

6 thoughts on “Kleina: os sete dias da verdade

  • 10 de fevereiro de 2017 em 17:11
    Permalink

    Realmente, falta padrão de jogo para este time do Goiás. Acho este técnico muito fraco e, com as mesmas substituições. Alguém tem que ter o comando para fazer com que o Walter entre em forma de jogo, caso contrário , vai ser difícil vê-lo jogar a bola que está jogando.
    Tem que ver a parte da preparação física. Desde o ano passado que o time está muito mal neste aspecto. O time está morrendo da metade da etapa final.
    Harley, veja novas contratações para as laterais e atacantes.
    Uma outra coisa, o meia do Goiás, Jean, está voltando muito atrás e deixando a armação capenga, com lançamento de longa distância, o que facilita para a defesa adversária. Está havendo muitos chutões da defesa para o ataque. Isso é falta de comando do time e melhor preparação da equipe para tocar a bola. Jogadores capazes temos, falta treinador.

    Resposta
  • 10 de fevereiro de 2017 em 09:56
    Permalink

    Excelente! Parabéns pelo texto. coloco ainda neste texto a necessidade de contratar um bom preparador físico. Ninguém discute a capacidade técnica de um bambu, de Thiago Luiz, Bolt, Gian. Os caras são bons mais falta alguém que organize que oriente a movimentação. Falta comando. Ver o Saturnino jogando me deixa deprimido.

    Resposta
  • 10 de fevereiro de 2017 em 00:17
    Permalink

    Muito bom texto! É exatamente isso aí!

    Resposta
  • 9 de fevereiro de 2017 em 15:28
    Permalink

    Técnico limitado. Infelizmente, vivemos um dilema… Torcer pro time não ir bem e o treinador cair, ou torcer pro time ganhar sempre e ter que aturar esse técnico? Pra mim, a data de demissão desse Kleina já existe… Dia 15/02! Penso que, com esse técnico, o time infelizmente será desclassificado da Copa do Brasil. Jogador o time tem… As contratações foram boas! Falta esse técnico mostrar o serviço que ele não mostrou até hoje.

    Resposta
  • 9 de fevereiro de 2017 em 15:13
    Permalink

    excelente texto! expressa exatamente o que venho observando nos jogos. time sem comando e sem rumo.

    Resposta
  • 9 de fevereiro de 2017 em 14:13
    Permalink

    Belo texto! Essa é a nossa realidade!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.